19 de fevereiro de 2010

INJEÇÃO ENDOVENOSA (EV)

INJEÇÃO ENDOVENOSA (EV)
  É a introdução de medicamentos diretamente na veia.
FINALIDADES

  1. Obter efeito imediato do medicamento.

  2. Administração de drogas, contra-indicadas pela via oral, SC, IM, por sofrerem a ação dos sucos digestivos ou por serem irritantes para os tecidos.

  3. Administração de grandes volumes de soluçÕes em casos de desidratação, choque, hemorragia, cirurgias.

  4. Efetuar nutrição parenteral.

  5. Instalar terapêutica com sangue e hemoderivados.
LOCAIS DE APLICAÇÃO
  Qualquer vais acessível, dando-se preferência para:



  • Veias superficiais de grande calibre da dobra do cotovelo: cefálica e basílica.




  • Veias do dorso da mão e antebraço.



    MATERIAL
    Bandeja contendo:


  • Seringas de preferência de bico lateral.




  • Agulhas tamanhos 25 x 7 ou 8 ou 30 x 7 ou 8.




  • Algodão e ácool a 70%.




  • Garrote.




  • Toalha, papel-toalha, plástico ou pano para forrar o local da aplicação.




  • Etiqueta ou cartão de identificação.




  • Luvas de procedimento.




  • Saco plástico para lixo.



    MÉTODO

    1. Lavar as mãos.

    2. Preparar a injeção conforme técnica já descrita.

    3. Levar a bandeja para perto do paciente.

    4. Deixar a bandeja na mesa-de-cabeceira e preparar o paciente: explicar o que vai fazer; expor a área de aplicação, verificando as condições das veias; colocar o forro para não sujar o leito.

    5. Calçar as luvas.

    6. Garrotear sem compressão exagerada, aproximadamente 4 dedos acima do local escolhido para a injeção.  Em pacientes com muitos pêlos, pode-se proteger a pele com pano ou com a roupa do paciente.

    7. Fazer o paciente abrir e fechar a mão diversas vezes e depois conservá-la fechada, mantendo o braço imóvel.

    8. Fazer a anti-sepsia ampla do local, com movimentos de baixo para cima.

    9. Fixar a veia com o polegar da mão não dominante.

    10. Colocar o indicador da mão dominante sobre o canhão da agulha, e com os demais dedos, segurar a seringa.  O bisel da agulha deve estar voltado para cima.

    11. Se a veia for fixa, penetrar pela face anterior.  Se for móvel, penetrar por uma das faces laterais, empurrando com a agulha até fixá-la.

    12. Evidenciada a presença de sangue na seringa, pedir para o paciente abrir a mão e retirar o garrote.

    13. Injetar a droga lentamente, observando as reaçÕes do paciente.

    14. Terminada a aplicação, apoiar o local com algodão embebido em álcool.

    15. Retirar a agulha, comprimir o vaso com algodão, e solicitar ao paciente para permanecer com o braço distendido.  Não flexioná-lo quando a punção ocorrer na dobra do cotovelo, pois esse procedimento provoca lesão no tecido.

    16. Retirar as luvas.

    17. Deixar o paciente confortável e o ambiente em ordem.

    18. Providenciar a limpeza e a ordem do material.

    19. Lavar as mãos.

    20. Checar o cuidado e fazer as anotações necessárias.
    OBSERVAÇÕES

    1. Não administrar drogas que contenham precipitados ou flóculos em suspensão.

    2. Para administrar dois medicamentos ao mesmo tempo, puncionar a veia uma vez, usando uma seringa para cada droga.  Só misturar drogas na mesma seringa se não existir contra-indicação.

    3. Usar só material em bom estado: seringa bem adaptada, agulha de calibre adequado.

    4. Mudar constantemente de veia.

    5. A presença de hematoma ou dor indica que a veia foi transfixada ou a agulha está fora dela: retirar a agulha e pressionar o local com algodão.  A nova punção deverar ser feita em outro local, porque a recolocação do garrote aumenta o hematoma.

    6. Para facilitar o aparecimento da veia pode-se empregar os seguintes meios:

      1. Aquecer o local com auxilio de compressas ou bolsas de água quente.

      2. Fazer massagem local com suavidade, sem bater.  Os "tapinhas"sobre a veia devem ser evitados, pois além de dolorosos podem lesar o vaso.  Nas pessoas com ateroma, pode haver seu desprendimento, causando sérias complicações.

      3. Pedir ao paciente que, com o braço voltado para baixo, movimente a mão (abrir e fechar) e o braço (fletir e estender) diversas vezes.
    ACIDENTES QUE PODEM OCORRER

    1. Choque: vaso-dilatação geral com congestão da face, seguida de palidez, vertigem, agitação, ansiedade, tremores, hiperemia, cianose, podendo levar a morte.  O choque pode ser:

      1. Pirogênico: atribuído à presença de "pirogênio"no medicamento (substância produzida por bactérias existentes no diluente).

      2. Anafilático: devido à susceptibilidade do indivíduo à solução empregada.

      3. Periférico: etilogia variada (emocional, traumático, superdosagem, aplicação rápida).

    2. Embolia: devido à injeção de ar, coágulo sangüíneo ou medicamento oleoso.

    3. Acidentes locais:

      • Esclerose da veia por injeções repetidas no mesmo local.

      • Necrose tecidual: devido a administração de substâncias irritantes fora da veia.

      • Hematomas: por rompimento da veia e extravasamento de sangue nos tecidos próximos.

      • Inflamação local e abscessos: por substâncias irritantes injetadas fora da veia ou falta de assepsia.

      • Flebites: injeções repetidas na mesma veia ou aplicação de substâncias irritantes.
    APLICAÇÃO DE INJEÇÃO ENDOVENOSA EM PACIENTES COM SORO
      Devido ao risco de contaminação e acidentes, a aplicação de medicamentos através da "borrachinha" deve ser evitada.  Nesse caso, o melhor é usar equipos com infusor lateral ou conectores em y (Polifix).
      Na ausência de dispositivos especiais, aconselha-se:

    1. Pinçar o equipo de soro e desconectá-lo do escalpe.

    2. Adaptar a seringa, com a medicação ao escalpe mantendo a extremidade do equipo entre os dedos, sem contaminá-lo.

      1. Aspirar com a seringa.  Havendo refluxo de sangue, administrar lentamente o medicamento.

      2. Terminada a aplicação, adaptar novamente o equipo ao escalpe, evitando a entrada de ar, e regular o gotejamento do soro.

  • 1 comentários:

    LISAM on 4 de setembro de 2011 16:16 disse...

    Olá, gostaria de saber qual a referência que voce usou para escrever essa postagem?
    Obrigado
    Diogo Muller

     

    Assine vc também!

    Subscribe via email

    Cadstre seu email:

    Delivered by FeedBurner

    Arquivo do blog

    EnferNat Copyright © 2009 HTML by Ipietoon. Lay by Nat Viana