19 de fevereiro de 2010

Injeções intramusculares

É a deposição de medicamento dentro do tecido muscular. Depois da via endovenosa é a de mais rápida absorção; por isso o seu largo emprego.

Locais de aplicação
  Na escolha do local para aplicação, é muito importante levar em consideração:

a) a distância em relação a vasos e nervos importantes;
b) musculatura suficientemente grande para absorver o medicamento;
c) espessura do tecido adiposo;
d) idade do paciente;
e) irritabilidade da droga;
f) atividade do cliente;
  São indicadas, para aplicação de injeção intramuscular as seguintes regiões:

a) região deltoidiana - músculo deltoíde.
b) região ventro-glútea ou de Hachstetter - músculo glúteo médio.
c) região da face ântero-lateral da coxa - músculo vasto lateral (terço médio).
d) região dorso-glúteo - músculo grande glúteo (quadrante superior externo).
Escolha do local
  Embora existam controvérsias, segundo CASTELLANOS a ordem de preferância deve ser:
1º Região ventro-glútea: indicada em qualquer idade.

2º Região da face ântero-lateral da coxa: contra-indicada para menores de 28 dias e indicada especialmente para lactentes e crianças até 10 anos.
3º Região dorso-glútea: contra-indicada para menores de 2 anos, maiores de 60 anos e pessoas excessivamente magras.
4º Região deltoidiana: contra-indicada para menores de 10 anos e adultos com pequeno desenvolvimento muscular.
Observações
  1. Em nosso meio, a região FALC é usada também para recém-nascidos e a região DG também para menores de 2 anos.
  2. Na escolha do local, devem ser consideradas as condições musculares.
Escolha da agulha
  Para aplicar com agulha ideal, deve-se levar em consideração: o grupo etário, a condição física do cliente e a solubilidade da droga a ser injetada.

TABELA I
Dimensões de agulhas em relação ao grupo etário, condição física e tipo de solução ( Injeção IM)
Espessura da tela subcutânea Soluções aquosas Soluções oleosas e suspensões
Adulto: magro
normal
obeso
25 x 6 ou 7
30 x 6 ou 7
40 x 6 ou 7
 25 x 8 ou 9
30 x 8 ou 9
40 x 8 ou 9
Criança: magra
normal
obesa
20 x 6 ou 7
25 x 6 ou 7

30 x 6 ou 7
20 x 8 
25 x 8
30 x 8

Adaptado de Horta & Teixeira
Angulação da agulha


  • Nas regiões D e DG, a posição é perpendicular à pele, num ângulo de 90º.




  • Na região VG, recomenda-se que a agulha seja dirigida ligeiramente à cristailiaca.




  • Na região FALC o ângulo deve ser de 45º, em direção do pé.






  • MÉTODO

    1. Preparar o medicamento conforme técnica descrita.
    2. Levar o material para perto do paciente, colocando a bandeja sobre a mesinha.
    3. Lavar as mãos.
    4. Explicar o que vai fazer e expor a área de aplicação.
    5. Com os dedos polegar e indicador da mão dominante, segurar o corpo da seringa e colocar o dedo médio sobre o canhão da agulha.
    6. Com a mão dominante, proceder à anti-sepsia do local.  Depois, manter o algodão entre o dedo mínimo e anular da mesma mão.
    7. Ainda com a mão dominante, esticar a pele segurando firmemente o músculo.
    8. Introduzir rapidamente a agulha com o bisel voltado para o lado, no sentido das fibras musculares.
    9. com a mão dominante, puxar o êmbolo, aspirando, para verificar se não lesionou um vaso.
    10. Empurrar o êmbolo vagarosamente.
    11. Terminada a aplicação, retirar rapidamente a agulha e fazer uma ligeira pressão com o algodão.
    12. Fazer massagem local enquanto observa o paciente.
    13. Deixar o paciente confortável e o ambiente em ordem.
    14. Providenciar a limpeza e a ordem do material.
    15. Lavar as mãos.
    16. Checar o cuidado fazendo as anotações necessárias.
    OBSERVAÇÕES
    1. Em caso de substâncias oleosas, pode-se aquecer um pouco a ampola para deixá-la menos densa.
    2. Em caso de substância escura, puncionar com seringa em medicação e aspirar.  Não vindo sangue, adaptar a seringa com a medicação e injetar.
    3. Caso venha sangue na seringa, retirar imediatamente e aplicar em outro local.
    4. Injeções de mais de 3 ml. não devem ser aplicadas no deltóide.
    5. O volume máximo para injeção IM é de 5 ml.  Volume acima de 5 ml, fracionar e aplicar em locais diferentes.
    6. Estabelecer rodízio nos locais de aplicação de injeções.
    7. O uso do músculo deltóide é contra-indicado em pacientes com complicações vasculares dos membros superiores, pacientes com parestesia ou paralisia dos braços, e aquelas que sofreram mastectomia.
    APLICAÇÃO EM Z OU COM DESVIO
      É usada para evitar o refluxo da medicação, prevenindo irritação subcutânea e manchas pelo gotejamento sa solução no trajeto da agulha.

    MÉTODO
    1. Puxar a pele e o tecido subcutâneo para um lado (uns 2 cm) e manter assim até o final da aplicação.
    2. Com a outra mão, inserir a agulha, aspirar com a ajuda dos dedos polegar e indicador e empurrar o êmbolo com o polegar.
    3. Retirar a agulha e só então liberar a mão não dominante, deixando o tecido subcutâneo e a pele voltarem ao normal.
    TABELA II
    Injeção IM: Locais de Aplicação, Delimitação da área e Posição do Cliente

    REGIÃO DELIMITAÇÃO DA ÁREA POSIÇÃO DO CLIENTE
    1. Deltoidiana (D) Face lateral do braço, aproximadamente 4 dedos abaixo do ombro, no centro do músculo deltóide. Preferencialmente sentado, com o antebraço flexionado, expondo completamente o braço e o ombro.
    2. Dorso-glutea (DG) Dividir o glúteo em 4 partes e aplicar no quadrante superior externo.
    Deitado, em decúbito ventral, com a cabeça de preferência voltada para o aplicador - a fim de facilitar a observação de qualquer manifestação facial de desconforto ou dor durante a aplicação.  Os braços devem ficar ao longo do corpo e os pés virados para dentro.
    Deve-se evitar aplicações na região DG com o cliente em decúbito lateral, pois nessa posição há distorção dos limites anatômicos, aumentando a possibilidade de punções mal localizadas.  A posição do cliente em pé também deve ser evitada, pois há completa contração dos músculos glúteos nesse decúbito.  A contração pode ser atenuada solicitando ao cliente que flexione levemente a perna em que será aplicada a injeção.  No caso de crianças, especialmente as agitadas, há necessidade de uma contenção firme, sendo recomendado o auxílio da mãe, colocando a criança em decúbito ventral no colo, segurando os braços com as mãos e colocando as pernas da criança entre suas pernas, firmando bem.
    3. Ventro-glútea (VG) Colocar a mão não dominante no quadril do paciente, espalmando a mão sobre a base do grande trocanter do lêmur, localizando a espinha iliaca ântero-superior.  Fazer a injeção no centro da área limitada pelos dois dedos abertos em V. Nesse local não é necessária posição especial.  No entanto, especialmente no caso de principiantes a delimitação da área é facilitada com o paciente em decúbito lateral.  Se a musculatura do paciente esxtiver tensa, a flexão dos joelhos auxilia no relaxamento.
    4. Músculo vasto lateral da coxa (FALC) Dividir a coxa em 3 partes e fazer a aplicação na região ântero-lateral do terço médio. De preferência, o paciente deve ficar sentado, com a perna fletida, ou deitado em decúbito dorsal, com as pernas distendidas.


    fonte: http://www.arquivomedico.hpg.ig.com.br/administracaodemedicamentos.htm

    0 comentários:

     

    Assine vc também!

    Subscribe via email

    Cadstre seu email:

    Delivered by FeedBurner

    Arquivo do blog

    EnferNat Copyright © 2009 HTML by Ipietoon. Lay by Nat Viana